Categoria: Diversos

Por isso, certamente, o melhor é não ter expectativas demasiado altas e ir vendo o que se pode obter. Um dos motivos do escurecimento dos nossos dentes poderia ser o uso de um tipo de antibiótico, as tetraciclinas, cujo clareamento é mais complicado.


Clareamento dental em consultório. Clareamento dental-out expresso. É realizado na clínica durante uma hora. Em primeiro lugar, se limpam bem os dentes e depois secam. Coloca uma proteção na gengiva para que a substância não a alcance. Pode ser utilizado peróxido de hidrogênio ou de carbamida, com uma concentração entre 10% e 35%. É colocar os dentes e é ativado através de uma luz halógena ou lâmpada de diodos, dependendo do produto que estiver sendo usado. Deixe agir o gel entre 30 e 60 minutos; se necessário, pode repetir a operação no momento. Depois lavam os dentes e, em seguida, é aplicado flúor para que não estejam, os dentes sensíveis.


Após a sessão, os dentes devem branqueamento de forma substancial, mas, dependendo do caso, podem ser necessárias mais sessões.


Rambla-Ferrer-Javier


Clareamento dental em casa. É verdade que podemos encontrar alguns dentifrícios e produtos semelhantes que prometem clarear os nossos dentes em casa. Mas este tipo de tratamento tem um resultado muito limitado, é possível que seja removível alguma mancha, mas não vamos conseguir clarear os nossos dentes.


No entanto, existe uma técnica que podemos usar em casa, supervisionados por um profissional. Antes de começar você vai tomar as medidas de dentes de baixo e de cima para elaborar uma moldeira.


É usado igualmente peróxido de hidrogênio ou de carbamida. Durante as noites, há que colocar o gel na moldeira e vesti-las durante o sono, cerca de oito horas. Pela manhã é necessário escovar os dentes com uma pasta com o mesmo alvejante e limpar bem a moldeira. Este tratamento tem uma duração de cerca de duas semanas. Mas se adapta às necessidades de cada paciente.


Clareamento misto. É uma técnica que mistura das duas anteriores. Pensa-Se que é o procedimento que dá melhores resultados. Começa realizando uma sessão na clínica semelhante à que discutimos, onde já é possível ver os primeiros resultados. Depois, em casa, o processo é repetido com a moldeira, com o controle constante do dentista. Pode durar uma semana.


Como vimos, é possível que nossos dentes recuperar a cor perdido. Escolha a opção que preferir e entre em mãos de um profissional. Você verá que em breve luzes o seu melhor sorriso.


* O doutor Javier Rambla Ferrer é cirurgião-dentista e especialista em cirurgia e implantes dentais membro Saluspot

Diversos

Tenho um bebê de um mês de vida e os meus pais em casa tem um cão de raça pequena. Ouvi dizer que é ruim para o bebê ficar no mesmo quarto que um cão, pois pode causar alergia, mas também ouvi dizer que não se passa nada, porque está em contato ou até mesmo que pode ser bom para colocá-lo em contato com o alérgeno, porque cria defesas contra ele. Minha mulher é alérgica à penicilina e tem uma leve alergia aos ácaros do pó, as gramineas, a algum tipo de gramado. Eu me tenho feito testes e, em princípio, não sou alérgico a nada. Eu gostaria que me pudessem dar uma mão com o que fazer com o cão que meus pais têm em sua casa. Muito obrigado.

Resposta

Obrigado por depositar sua confiança em nosso serviço de informação em saúde de NetDoctor.

A consulta que você nos forneceu é certamente interessante e, possivelmente, muitas pessoas vão achar útil a informação que lhe vou dar ao respeito, por se tratar de um problema que se colocam muitos pais com animais de estimação em sua casa. A primeira coisa que quero dizer é que a resposta se a convivência na casa com um cão ou um gato pode ser prejudicial para uma criança de menos de um ano de vida não é totalmente clara, tal e como você diz, porque a probabilidade de que uma pessoa desenvolva qualquer tipo de alergia pesam muito seus genes, do mesmo modo que também incluem os fatores de exposição ambiental a que a criança seja submetida. Dito isso, gostaria também de dizer que a maioria dos estudos científicos publicados parecem afirmar que as crianças, em geral, não só não lhes prejudica o fato de que haja em casa um cão ou um gato durante o seu primeiro ano de vida, mas que pode, inclusive, protegê-los, favorecendo assim um menor risco de aparecimento de alergias ao pêlo de animal de estimação e até mesmo alergias de todo o tipo.

A explicação para esse fenômeno viria dada pela teoria higienista que vem a sustentar que um ambiente muito conservado e muito limpo e bem cuidado, por ser um ambiente com menor presença de alérgenos (substâncias que causam sensibilização imunológica e, portanto, alergia) predispõe as crianças a uma modulação imunológica diferente da que teria sido mais provavelmente ‘natural’ e, portanto, uma maior reatividade imunológica frente a essas substâncias, quando estas surgem, mais tarde, ao longo da vida. Esta teoria, embora não de todo apoiada por todos os especialistas, é muito coerente com o fato de que os fenômenos alérgicos tenham aumentado sua incidência na população ocidental, nas últimas décadas, de modo paralelo ao aperfeiçoamento dos hábitos de higiene, e que as alergias mais frequentes no meio urbano que no rural, bem como mais abundantes no Ocidente que nos países em vias de desenvolvimento.

Contudo, insisto em que contam também muito os antecedentes familiares de alergia, que são altamente indicativos de uma certa parte da vulnerabilidade que pode padecer de antemão a este tipo de doenças. Por isso que muitos estudos realizados em pessoas de qualquer idade ou crianças, especificamente, pertencentes a famílias com histórico amplo de alergia, os resultados da exposição precoce a determinados alérgenos não são tão claramente positivos, e são mais bem neutros.

Como conclusão final a tudo isso, o que posso dizer é que, para o caso concreto pessoal de seu filho, que vem de uma mãe com alergia e um pai não alérgico, não existiriam dados contundentes que permitissem aconselhar vivamente a presença de animais domésticos em casa, mas que também não existem dados sólidos que o desaconsejen, por isso, que vocês tomem a decisão que vocês tomarem, nunca devem culpar-se, infelizmente, seu filho acaba desenvolvendo algum tipo de alergia.

Cordialmente,
Dr. Afonso J. Santiago Marí.

31 Julho 2006

Diversos

O que é a alergia aos ácaros do pó?

São organismos microscópicos, que se multiplicam nas casas, e endonde encontram o seu melhor alimento: a pele humana

É uma reação de hipersensibilidade às proteínas presentes no laexcreción dos ácaros contidos no pó. A proteína penetra no árbolaéreo por inalação, ocasionando rinoconjuntivite yasma.

A sensibilização a losácaros do pó pode agravar doenças de caráter alérgico, como ladermatitis atópica, em pessoas que têm predisposição apadecerla.

O Sabermás?

Veja mais artigos sobre alergias em nossa sección’Asma yalergia’

Os ácaros do pó seencuentran em todos os lares. São organismos microscópicos que semultiplican com facilidade nas casas quentes e húmidas, e em lugaresdonde encontram o seu mais precioso alimento: as escamas de pele dos humanos;daí que um de seus principais habitats são os colchões, almofadas yalmohadas.

Como passamos um terço do dia em lacama, esta é uma fonte importante de contato com este tipo de alérgenos, loscuales inalar grandes quantidades.

Como se desenvolve a alergia losácaros do pó?

A excreção dos ácaros contienediversas substâncias proteicas, conhecidas como antígenos. Quando são inalados, elorganismo inicia a síntese de anticorpos. Estes anticorpos, ao se juntar veja antígenos, são o estopim da reação alérgica, causando inflamacióne irritação das vias aéreas superiores e inferiores, dando lugar aos sintomas típicos: a rinoconjuntivite e a asma.

Adiferencia do pólen, os ácaros estão presentes todo o ano e puedencausar patologia alérgica perene.

Quais são os sintomas da alergia aos ácaros do pó?

  • Rinoconjuntivite
  • Corrimento nasal
  • Comichão nasal
  • Espirros
  • Tamponamento nasal ysangrado
  • Para tratar comichão nos olhos
  • Lacrimejamento
  • Olhos vermelhos
  • Aumento da produção de legañas
  • Asma
  • Dificuldade em respirar
  • Tosse seca irritativa
  • Opresióntorácica
  • Respiração swishing
  • Eleczema atópico infantil pode piorar.

O que factoresempeoran os sintomas?

  • Lacontaminación do ar, como a fumaça do tabaco ou dos sistemas de escapamento dos carros
  • Epitélio deanimales de estimação
  • Irritantesde as vias respiratórias
  • Ar frio
  • Infecções respiratórias.

Como chegar ao diagnósticomédico?

O interrogatório médico, com freqüência, essuficientemente de orientação. Para estabelecer um diagnóstico de certeza serealizan laspruebas cutâneas e diversosanálisis de sangue e de provocação brônquica, em casode estar indicados.

Dicas de prevenção

O melhor é fazer todolo possível para evitar a sensibilização aos ácaros do pó, e laexposición os mesmos se já está sensibilizado.

Sedebe tentar adaptar a habitação:

  • Ter poucos móveis e mantê-los sempre limpos.
  • Limpar paredes, objetos de madeira e chão com panos húmidos.
  • Não usar tapetes.
  • Usar roupas decama que se possa lavar com frequência, lençóis de algodão, luvas anti-ácaroslavables para colchões, cobertores ou edredons sintéticos. Não usar cobertores delana ou edredons.
  • Certificar-se de que as sillasestén feitas de madeira ou plástico.
  • Se pode, utilicepersianas de plástico em vez de cortinas, e quíteles o pó diariamente.
  • Usar panos úmidos.
  • Usar unaaspiradora sem saco e com filtro de alérgenos para limpar a fundo a casa,de preferência diariamente, mas pelo menos duas vezes por semana.
  • Evitar os objetos que retenham pó, como ursos de pelúcia, almofadas,flores secas e brinquedos.
  • Lavar a roupa de cama, a unatemperatura de pelo menos 60 graus centígrados para matar os ácaros do pó.
  • Arejar a roupa de cama, edredões, almofadas ycolchones durante uma hora todos os dias.
  • Colocar losedredones e travesseiros, em sacos de plástico e colocá-los no congelador durante24 horas pelo menos uma vez por mês.
  • Se possível, use uncolchón barato e alterá-lo por um novo, ao menos uma vez a cada seis meses.
  • Ambientes com ar seco e frio são hostis para losácaros, assim que tentar arejar a casa todos os dias e não use unhumidificador de ar, pois favorece o seu crescimento.
  • Norocíe a casa com sprays, podem piorar os sintomas ao favorecer lamultiplicación dos ácaros.
  • Não toque em objetos condemasiado pó como livros armazenados e roupas velhas.
  • Quando se vai ficar exposto a ambientes carregados de pó deve levar unamáscara, por exemplo, quando está limpando a casa.
  • Nopermita que se fume em sua casa.

Publicidade

Complicações

  • Está pré-disposto a outras enfermedadesrespiratorias (rinite, rinossinusite, asma crónicosevero…).
  • Otite ou inflamação do ouvido.
  • Pode sofrer de distúrbios do sono yfatiga crônica motivados pela dificultadrespiratoria durante a noite.
  • Hospitalização por unacrisis de asma grave.

Prevenção

Sitiene alergia aos ácaros do pó é importante que evite constantemente laexposición ao alérgeno, já que aumentam as possibilidades de que desarrolleasma.

Se a alergia aos ácaros do pó é a únicaforma grave de alergia sofre, pode estar indicada a terapia dehiposensibilización através de uma vacina contra o alérgeno.

Este tratamento de tolerância consiste em administrar inyeccionessubcutáneas periódicas de alérgenos responsáveis, em doses progresivamentecrecientes durante um período que varia entre dois e cinco anos. Não seadministra vacinação de forma rotineira e deve existir uma indicaciónvalorada por um especialista em alergologia. Convém saber que não siempretiene sucesso.

Qual é o tratamento escolhido?

No caso derinitis alérgica perene:

  • Anti-inflamatórios tópicos: sejam corticosteróides ou cromonas,prescritos por um alergistas.
  • Anti-histamínicos tópicos uorales com o fim de ajudar os anteriores a atenuar os sintomas. Únicamenterepresentan um tratamento sintomático. O mesmo para a conjuntivitisalérgica, mas na forma de colírios.
  • O tratamientohiposensibilizante aos alergénios consiste em injetar pequenas quantidades delalérgeno envolvido, diluído e padronizado biologicamente. Este tratamientopuede durar vários anos.

Quando sedetectan sintomas de asma é possível utilizar parte do siguientemedicación:

  • Broncodilatadoresde as vias respiratórias associadas a medicamentos anti-inflamatórios inalados, já seancorticosteroides ou cromonas ou antileukotrienos.
  • Em crisisgraves, convém a atenção em um centro qualificado com broncodilatadores,antiinflamatórios esteróides e oxigenoterapia se é preciso.
  • Asma persistente moderada ou severa: deve exigir untratamiento continuado com broncodilatadores de longa duração associados aantiinflamatorios no tratamento único ou em combinação.
  • Não está demonstrado cientificamente que outro tipo de drogas(descongestionantes, expectorantes, aerossóis vaporizados…) tenham ningunaeficacia no tratamento da asma, nem produzam efeitos terapéuticosbeneficiosos.

Dr. Flemming Andersen, especialista em Dermatologia. Dr. Paul Klenerman, especialista em EnfermedadesInfectocontagiosas. Dr. Brian Lipworth, especialista enAlergología e Medicina Respiratória. Atualizado: 22-02-2017 Revisado por: Dr. Jaime Royo Cabañero, especialista em Alergologia e InmunologíaClínica,

Diversos

Você picó uma lagarta. Se você colocar um creme para tratar inchaço, mas em vista de que não respondia urgências lhe administraram Urbasón injetado (20 horas). O inchaço se lhe mudou de rosto e a orelha, os lábios e o nariz, com os olhos. Às 11 horas o levamos de novo e lhe administrado outra vez Urbasón. O inchaço desaparece, mas ganha uma urticária com habones, febre, comichão e inchaço de mãos, pés, bonecas rosto e até mesmo na cabeça. A criança não tinha tido estes últimos sintomas até que não lhe faço para administrar o Urbasón. Por fim, ontem fomos para o hospital, onde se administra outro corticóides (não sei qual) e, em dez minutos o garoto estava quase perfeito. Dizem-Me que o efeito deste último corticóides passará e que os sintomas lhe aparecerão de novo, o que é verdade, mas com muito menos nitidez do que antes. Você pode ser o menino alérgico ao Urbasón? (sua mãe sim, você é). No hospital me dizem que não pode ser alérgico, mas eu tenho minhas dúvidas.


Resposta


Diz-Nos muito bem um caso em que parece deduzir-se a possível alergia perante a administração de corticóides, especificamente metilprednisolona (Urbasón).


Certamente, pode parecer estranho que uma pessoa seja alérgica a um corticóides e é por isso que lhe disseram no hospital que isso não é possível.


No entanto devo aclararle que quem lhe tenha dito isso está errado.


A alergia a avaliação clínica é rara em geral, mas possível. Foram descritos casos na literatura de alergia a determinados indivíduos e, o que é mais, foram descritos casos de alergias cruzadas entre diferentes indivíduos. Por exemplo, pessoas alérgicas a betametasona ou parametasona que também o eram por reação cruzada com metilprednisolona.


Portanto, claro que é planteable que a criança tenha tido alergia ao Urbasón, embora seja algo tão incomum e estranho, e mais ainda quando você cita que esse tipo de alergia também sofre a mãe do menino. Por isso, embora certamente dispõem já de um bom conselho de um alergistas que houver feito a criança as devidas provas alérgicas delimitando este transtorno, recomendo que olhem sempre a cautela devida, de modo que impeçam o contato da criança com todo o tipo de esteróides, a menos que se determine de forma fidedigna o que não teria risco algum em sua administração.


Cordialmente,
Dr. Afonso J. Santiago Marí.


20 Junho 2006

Diversos