7 mitos comuns sobre dietas para os que não fazer caso

Pareceestar fazendo tudo certo: evita a comida lixo, come e jantar saladas, cuandopica algo são nozes e crudités de cenoura ou aipo, hacemás exercício… mas não consegue os resultados apetecidos; nollega ao peso que foi proposto.

O Lesuena?

Aqui apresentamos algunascreencias –mitos– muito comuns que, na realidade, estándificultando seu regime e não deixá-lo chegar ao peso que estimaideal.

1. Mito: Pular comidasayudará a perder peso

Você pode até acreditar que losuyo já listra na virtude, saltar refeições ou evitando comercualquier coisa entre o almoço e o jantar; mas, na realidade, está alimentando supropio fome, está muito faminto por fim, quando se senta à mesa.

Isso não vai ajudá-lo a emagrecer. Por quê? Porquecuando tem tanta fome acontecem duas coisas. Uma, que tudo tem um aspecto, ysabe, delicioso. E dois, porque precisa de mais quantidade para sentirsesatisfecho. O resultado: você pode acabar comendo mais, e nonecesariamente comendo coisas saudáveis.

Picaralgo em pequenas quantidades, algo nutritivo, ajuda a evitar isso,mantendo-se estável o nível de açúcar no sangue e fortalecendo elmetabolismo.

Pode ser conveniente llevarconsigo algo para beliscar por se chegar mais tarde do que o previsto para a seguinte comida. Deve ser de cerca de 200 calorias, ou até menos, yser uma combinação de fibra, gordura saudável e proteínas. Algumas nozes ofrutos secos sem sal, por exemplo. Se está em casa, ou você pode ter isso,alguns biscoitos de farinha de trigo integral com humus, esse deliciosopuré de grão-de-bico, ou uma maçã.

Artigo Relacionado

3 Estratégias para não comer de mais

Como comer o necessário, mas como não comer de mais.

2. Mito: Todos devemos suprimir elgluten

A não ser que seaceliaco ou sofrer deintolerancia ao glúten, não há nenhuma vantagem em suprimi-lo de ladieta. Qualquer perda de peso associada à supressão do glutenestará produzida porque foram evitadas bolos, biscoitos e pães e, na realidade,haverá a ingestão de menos calorias. Mas não será por ter eliminado elgluten.

Não é uma boa idéia apagar grupos de nutrientes;pode produzir carências vitamínicas e de minerais yoligoelementos e, por conseguinte, problemas a longo prazo. É mais razonablecentrarse em quantidade que se come.

3. Mito: uma refeição saudável e não engorda

É importante entender que não é porque um alimento esteja etiquetadocomo “saudável” pode-se comer qualquer quantidade. Mesmo se você come coisas tansanas como nozes, frutos secos e sementes, abacate, azeite de oliva ychocolate preto, deve prestar atenção às porções sipretende emagrecer.

É bom tomar óleo de oliva, perosi se acrescenta com alegria para o seu prato de massa e o molhado, em seguida, conpan, estará a consumir demasiadas calorias e engordará. O mismosucede com os frutos secos. Você deve saber qual é a quantidade razoável (é tão fácil acabar a bolsa inteira!) e agir enconsecuencia.

Artigo Relacionado

Poderia o stress estar freando seu regime de emagrecimento?

O estresse tem muitos efeitos estranhos e indesejáveis no organismo.

Publicidade

4. Mito: Os hidratos de carbonoengordan

Eliminar os hidratos de um só golpe lhe haráadelgazar em um primeiro momento. Mas não é nem saudável nem sustentável e logo sehartará porque vai se sentir cansado, apático e irritável.

Além disso, no minuto que ela volte a comer com normalidadrecuperará o peso perdido, e ainda mais: o efeito yo. Em vez desuprimirlos, coma os carboidratos certos. Pães e massas integrais, arrozigualmente integral, legumes e batatas. São boas fontes de fibra (limitá-los hidratos quase sempre acompanhada de constipação (prisão de ventre) e contêm buenascantidades de vitaminas e minerais.

5. Mito: Eliminar as gorduras do emagrecimento

O corpo precisa de uma boa fonte de gorduras paraquemarlas. Ou seja, você deve certificar-se de tomar boas gorduras, como a delaguacate, os frutos secos e azeite de oliva. Têm múltiplesbeneficios e trazem efeitos saciantes. Sabe-Se, além disso, que descem elriesgo de doenças cardíacas e contribuem para a absorção de minerais yvitaminas.

Artigo Relacionado

Como emagrecer sem entrar em uma dieta

Perder peso de forma saudável, sem almofadas, e sem passar fome, não significa, necessariamente, ter que fazer uma dieta.

6. Mito: O exercício é fundamental para emagrecer

Qual o exercício? Não é que seja bom, sinofantástico. É essencial para a saúde, mas para o emagrecimento deve iracompañado de uma dieta saudável. Qualquer nutricionista ou técnico locorroborará: não é possível “treinar” uma má alimentação; e… os abdominais se hacenen da cozinha. O exercício pode aumentar a fome, e isso debetenerse em conta.

Infelizmente, elejercicio não dá por livre para comer o que quiser e as caloríasquemadas serão, geralmente, uma pequena parte dos esforços poradelgazar, se as compararmos com as calorias ingeridas. Claro, yrepetimos: o exercício é fantástico e traz inúmeros benefícios, peropor si só não vai fazer você emagrecer. A acompanhá-lo de uma boa dieta é laclave.

Artigo Relacionado

Emagrecer sem fome nem comprimidos: a melhor dieta

Aqui apresentamos um plano de três etapas projetado para matar o apetite, perder quilos de forma rápida, sem sentir fome e, ao mesmo tempo, melhorar a saúde durante o processo.

7. Mito: A balança é quem manda

Não há que se sentir preso pelo numerito que mostra a básculadel casa de banho. Sentir-se desanimado e impaciente por ver resultados a lossacrificios (que é o que geralmente acontece) saboteará os esforços poradelgazar, dando lugar à frustração. Há outras formas, eimportante, verificar os progressos, como a roupa que agora sim é puedeabrochar, como se sente, qual é o seu aspecto, de quanta energia e resistenciadisfruta e o humor está.

Introduzir cambiossostenibles na dieta e no estilo de vida e ver logo os resultados é unproceso lento que pode levar semanas para ser alcançado. Seapaciente e perseverar com o seu novo estilo de vida: o corpo se beneficia adiario dessa mudança. Siga em frente e você terá resultados garantidos e, o maisimportante, resultados duradouros.

PublicidadNetdoctor.é Atualizado: 20-11-2016 Revisado por: Dr. Salvador Pertusa Martínez, Médicode Família. Centro de Saúde de Cabo Huertas (Alicante). Diretor Médico deNetDoctor,